Olá!!!

Oi gente!!! Muitas saudades. Só passei aqui pra dizer que eu sinto falta daqui, mas ainda não penso em ficar ativa. Fiz um short fic Larry com uma amiga minha no wattpad e agradeceria muito se vocês puderem ler.
Ainda tenho a conta no socialspirit e no wattpad, mas não entro muito nas duas porque esse ano está sendo bem puxado e eu não estou tendo tempo para me atualizar.
Enfim, é isso. Para quem quiser ler a shor fic, clique aqui
Beijinhos.
Jana

Apparently - Capítulo Quarenta e Sete - Família


(Me desculpem pela foto, não encontrei com melhor qualidade)

Claire: Você podia passar com a sua família. Não quer encontrar sua mãe, Zayn?

Zayn: Tem muito tempo que não falo com ela. Você sabe que esse é o meu maior desejo. Não sei se mudaram de casa, de número de telefone...

Claire: Podemos encontrar Zayn - acariciei seu rosto.

Zayn: Talvez demore demais.

Claire: Você vai vir comigo, então. Não tem lugar pra ficar durante o verão, não vai pagar hotel, não tem dinheiro pra isso - ele subiu seu olhar - não, Zayn, você não vai voltar a aquela vida. Eu não deixo - cruzei os braços.

Ele veio até mim e me abraçou, começamos um beijo calmo quando ele me colocou sentada em cima da mesa de madeira da sala. Quando o clima ficou quente demais, percebi num susto:

- Podemos começar pela Donna!

- Claire On -

Zayn parecia mais desanimado a cada dia. Com a ajuda de Donna, conseguimos sair da escola em um final de semana (véspera das provas finais). Pegamos a moto dele e fomos pela estrada até Bradford, não falamos nada, até por que os capacetes impediam essa comunicação. Eu só tinha medo que em algum momento ele parasse a moto e desse meia-volta. Ele parecia nervoso.

- É aqui - ele caminhava na frente, me apressei e segurei sua mão.

A rua era larga. A casa era pequena. Parecia ter dois ou três andares. Tinha a cor verde-musgo.

- Tá pronto amor? - ele ainda não havia falado nada.

Zayn: Sim.

Deixei que ele desse o primeiro passo: tocar a campainha. Então o fez. Esperamos alguns segundos e ele a tocou de novo. Por um segundo o olhei e vi seu olhar vazio. Esperamos dois ou três minutos e a porta foi aberta. Uma garota apareceu.

Desconhecida: Posso ajudá-los? - ela estava de pijama, não desgrudava o olhar de Zayn. Provavelmente o reconheceu, pareciam ser irmãos.

- Zayn On -

Minha voz sumiu, dando lugar a uma imensa vontade de chorar. Waliyha apareceu na porta. Como ela está linda! Imagine Doniya e Safaa... Sorri involuntariamente e a abracei, mas invés de ser correspondido, ela gritou no meu ouvido e começou a me bater. Rapidamente meu pai apareceu e nos separou, me empurrou no chão e avançou em cima de mim. Deve ter pensado que eu queria estuprá-la.

Claire se desesperou e parecia em choque. Por um segundo eu também, mas depois eu comecei a gritar:

- Pai! Para! Sou eu, Zain Malik! - ele sequer me escutou.

Mamãe apareceu na porta, disse que ligaria para a polícia.

- Mãe! Sou eu, Zain!

Foi nesse momento que Yasser parou e me olhou atentamente, correu para dentro de casa e toda a família retornou com ele.

Trisha: Zain? É você? - ela disse chorosa.

Me levantei com a ajuda da Claire e peguei minha identidade dentro de sua bolsa.

Zayn: Para provar - manquei, já que eu havia caído por cima da minha perna. Estiquei a carteira e Yasser pegou. Todos me olhavam espantados e para me confortar, Claire me abraçou de lado.

Em um segundo, Safaa apareceu e me abraçou, assim como todos em seguida.

- Você On -

- Deve ter sido lindo - digo abobalhada. Zayn contava a história de como foi reencontrar sua família.

Zayn: Foi assustador - riu - mas um assustador bom.

- Imagino - sorri de canto - dessa vez vão manter contato?

Zayn: Claro! Só não gostei de uma parte.

- O que?

Zayn: Eu saio de casa e minha irmã é só mais uma adolescente. Volto e ela está noiva!

- Sabe se o cara é legal?

Zayn: Parece que sim, mas ainda não o conheci. Me disseram que ele é dono de uma loja de informática aqui em Londres.

- Sabe qual o nome?

Zayn: Parece que é PC World.

- Sei qual é. Fica em Bloomsbury.

Zayn: Qualquer dia desses podemos passar lá e dar um "oi" pra ele - deu um sorriso malicioso - mas e você?

- O que tem? - eu brincava com as minhas próprias mãos.

Zayn: O que fez esse final de semana?

- Bom - eu tentava esconder meu sorriso - meus pais vieram pra cá e fomos para um hotel, e o Niall também foi. Parecíamos turistas - eu ri.

Zayn: Então parece que também curtiu a sua família - ele riu, e eu assenti.

Status: ressurgindo das cinzas.

One Shot - Harry Styles

Pedido da: Talita Bahia.


Já era a terceira vez que eu ia ao banheiro lavar o meu rosto, não conseguia esquecer a discussão (que nem foi tão grande assim) da noite passada. Na verdade, já fizeram mais de vinte e quatro horas desde o acontecido, mas o meu coração estava apertado como se eu estivesse parada naquele momento.
- Ah, que se dane - digo jogando a toalha de rosto em cima da pia.
Voltei para a cama ligando a tv, já havia enchido o saco daquela sensação nojenta de aflição e reparei que nada naquela madrugada iria me satisfazer, então fui dormir.
Por algum motivo naquela manhã seguinte tudo parecia melhor, talvez por que o inverno já estivesse acabando. De qualquer modo, eu queria que ele estivesse aqui.
- Falshback On -
- Harry, para!
- Parar com o quê? Tá maluca?! - ele dizia com ironia, estava estressado com os ensaios da banda para a nova turnê e quando chegava descontava em mim.. com patadas. O pior é que já tem um tempo, e mesmo eu sendo cabeça-quente aguentei com mais paciência do que o normal.
- Para de ficar respondendo desse jeito, não sou obrigada a te aguentar! Não sou sua mãe!
- Se você quer que eu vá, eu vou! - apontou para a porta.
- Eu não disse nada disso, Harry. Te amo. Mas não quero ter que aturar isso por mais tempo. Não dá - ele revirou os olhos.
- E o que sugere que eu faça? Em? Uma mágica?
- Para Harry! Porra! Tô tentando ter uma conversa civilizada contigo e tu tá de palhaçada! - ele revirou os olhos novamente - Sai daqui! - o empurrei até a porta e a tranquei. Ainda bem que o apartamento era só meu.
- Flashback Off -
Se bem que nem foi só isso, o nosso relacionamento sempre foi conturbado pela fama. Eram boatos dele estar com outras garotas, de eu estar com outro garoto, era a distância e também sermos tão ocupados com o nosso trabalho. Era meio difícil ficarmos a sós, nos víamos entre os horários de ensaios e compromissos como entrevistas, já nas férias só quando ele acabava de visitar todos os seus parentes, ás vezes ele me levava, para darmos uma escapadinha no meio da noite. Lembro de quando esse tipo de coisa acontecia, era encantador.
Ouvi o alarme de notificação, Harry havia mandado uma mensagem.
"Podemos conversar?"
"Por que não... Espero que tenha se acalmado..."
"Não se preocupe, vem pro meu prédio"
Nem respondi. Ele podia ser bem idiota ás vezes mas eu sentia falta da sua companhia, só peguei o meu casaco e corri para o seu apartamento.
- Harry?
- Talita? Espera! - ele parecia nervoso. Então escutei o barulho de algo se quebrando - Droga!
- Harry? O que tá acontecendo aí? - ele estava na cozinha.
- Nada! Fica aí!
Andei devagar até o lugar, notando que o ambiente estava pouco iluminado. Uma mesa posta a dois... Linda! Decorada com um vaso cheio de botões de rosa vermelhas. Sorri. Olhei um pouco mais para o lado e reparei Harry ajoelhado recolhendo cacos de vidro.
- Precisa de ajuda? - segurei seu ombro. Ele sorriu torto.
- Não, valeu... Eu te pedi pra ficar na sala curiosa - ele disse e um pouco de sangue escorreu da sua mão, sinal de que havia se cortado.
- Espera. Vou buscar o kit de remédios, deixa isso aí - me referia aos cacos no chão.
Ele se levantou e encostou-se no balcão. Fiz um curativo pequeno, não era nada que preocupasse. Então procurei olhar dentro dos olhos dele, e sorrimos juntos.
- Então... Você queria conversar - ele assentiu.
- É que eu queria te pedir desculpas por ter feito aquilo contigo, te tratado daquela maneira. Eu não conseguia perceber que estava te machucando, e me machucando. Então quis preparar esse pedido de desculpas, que era pra ser uma surpresa - ele riu.
- Eu adorei Harry.
- E cozinhei também! - disse animado - Fiz aquele prato que você gosta. Chamei o Niall pra me ajudar na salada por que você me disse que adora as saladas dele. Foi de coração.
- Own, eu te amo Harry - sorri sincera, o contagiando.
- Também te amo, muito, muito, muito. Me perdoa - me abraçou e deu um gemido de dor quando me pegou pela cintura. Rimos.
- Já te perdoei.
ESPERO QUE TENHAM GOSTADO :*
PS: A PARTIR DE AGORA ESTAREI POSTANDO MEUS IMAGINES TAMBÉM NO TUMBLR
O ENDEREÇO É: THEUNKINDGIRL.TUMBLR.COM