Imagine Niall


Estava amanhecendo, e eu continuava dormindo, mesmo sabendo que tinha que me levantar. O sol entrou pela janela, e me bateu bem certeiro nos olhos. 
- Ah, mas que droga! Por que que eu não fechei a janela? - Falei
Me levantei e fui fechar a janela, e voltei pra cama. Eu tinha mesmo que levantar, hoje eu vou viajar para a cidade da minha avó. Na verdade, eu n
em quero ir, é no meio do nada, apenas campo. Não é que eu não goste, tem até um pequeno rio, onde posso dar uns mergulhos, mas mesmo assim, vou ficar longe de tudo. Não é que eu tenha muito a que me agarrar aqui...
Um tempo depois, já estava ouvindo minha mãe berrando:
- Mas ainda está dormindo? Sabe que horas são?

- Mãe, nós vamos apenas para a terra da vó, não para uma viagem para Londres, não é assim tão emocionante.
- Se levanta logo!
Que podia fazer eu, mãe é mãe, tive que levantar.
Fui no banheiro me arrumar, vesti meus shorts, meu top, e estava prontinha.
- Estou pronta. - Falei pra minha mãe
- Ah, eu não estou pronta ainda, me espera.
- Por que raios me mandou levantar se eu ainda tenho que esperar por você?! - Gritei
- Acalma-te menina!
Esperei por ela, e partimos.
Passei o caminho todo escutando música e cantando, nem dei pelo tempo passar. Quando estava chegando, a primeira coisa que me chamou a atenção, foi um garoto de olhos azuis, eu não sabia nada dele, apenas seus olhos...
- Oi vó, como você está? Senti saudades de você. - Falei
- Oi netinha, também estava com saudades de você, eu vou mostrar onde vai dormir. - Me abraçou
Meu quarto era grandinho até, e por incrível que pareça, a decoração era bem como eu gostava.
Depois de colocar as malas na cama, voltei para a sala.
- Avó, quem é aquele garotinho de olho azul?
- Já está apaixonada? Ainda agora chegou.
- Não comece já fazendo suas histórias! Só estou perguntando...
- Mora aqui perto, é mesmo ali em baixo. Porque não vai lá falar que está passando uns dias aqui?
- Eles vão pensar que sou doida.
- E não é?
- Pois...
Estava muito cansada, era cedo, mas me fui deitar na hora. Dormi que nem um bebê. Quando olhei no relógio, eram apenas 6 da manhã, fiquei sem saber o que fazer.
Me vesti, e fui conhecer o que havia em volta da casa. Era tudo muito bonito.
Vi um garoto de costas, será que é aquele? Mas eu não tenho como ir lá. Vou ficar aqui sentada, esperando que ele venha. Ele nem me viu, daí não veio na minha direção. Me levantei, e fui falar com ele, sem vergonha mesmo.
- Oi.
- Oi. Você é nova aqui?
- Estou passando férias aqui, com minha avó.
- Ah, eu moro aqui, com meu pai.
- Meu nome é (seunome), qual o seu nome?
- Eu me chamo Niall. Você já conhece aqui?
- Não... Mas o que você faz acordado tão cedo?
- Sabe, aqui nós temos o hábito de acordar assim, cedo para aproveitar o dia.
- Nossa, eu não sei como vocês conseguem, eu só acordei agora porque me deitei muito cedo, estava cansada da viagem.
- Você se habitua. - Ele falou sorrindo.
Além daqueles olhos azuis, tinha um sorriso que me deixa derretida, meu deus.
- Então eu estou esperando minha visita guiada!
- Vamos então.
Ele me mostrou tudo o que havia para mostrar.
Terminmos num monte, que tinha uma lagoa na frente.
Me sentei lá.
- Obrigada por me mostrar as redondezas aqui.
- Não foi nada, só acho estranho você não conhecer, nunca veio aqui?
- Já, mas eu era pequena. Você pode me dar seus olhos? Quero eles só pra mim.
- Não , esses são só meus! - Falou rindo.
- Nem partilha comigo? Que grosseiro! - Falei brincando
- Vou pensar, vou pensar.
- Ahh, você pensa!
- Que piadinha, menina (seunome).
- Então, você ficar me seduzindo esse tempo todo?
- Você e rápida. E bem direta.
- Já que eu vou ficar aqui, tenho que começar por algum lado né?
- Verdade, mas eu não vou ser sua cobaia!
- Cobaia?
- Sim cobaia. Ou então você vai ser meu captivo agora.
- Isso queria você!
- Agora eu que mando, eu que sei.
- Bossy girl!
- Que bonitinho, fala inglês.
- Não me zoa.
- Não estou.
- Estou ficando com fome.
- É, mas como eu sou prevenida, eu trago aqui umas batatas.
- E vai partilhar comigo né?
- Se você não partilha seus olhos comigo, porque hei de partilhar minha comida com você?
- Porque se não partilhar, eu vou atirar você na lagoa.
- Não teria coragem.
- Não?
- Não!
Ele me pegou ao colo, e desceu para junto da lagoa, e me perguntou:
- Então, vai partilhar agora?
- Não!
Ele pulou, e caímos os dois na lagoa.
- Mas você é doido?!
- Eu falei que ía atirar você, mas resolvi ir também.
- Que boa forma de me receber.
- Eu gosto de inovar, obrigado. - Falou com ironia
- Simpatia não é realmente um dos seus pontos fortes.
- Ai não?
- Não.
- Mas você ainda não entendeu que me contrariar não dá em nada?
- Eu que sei, você é meu captivo, só tem mais força que eu.
- Eu sou simpático.
- Tem vezes.
- Tem vezes? Mas você não aprende? - Falou rindo
Me deitou no chão, me segurou pelos braços e falou:
- Já tá vendo um dos meus pontos fortes?
- Não.
- Tem a certeza?
- Absoluta.
Ele me beijou, e falou:
- E agora?
- Me larga, vai.
- Não.
- Mas porquê?
- Porque eu gostei de você.
- Mas me conhece há umas horas.
- Não acredita em amor à primeira vista?
- Talvez.
- Então se cala e me beija.
Ficamos o resto das minhas férias nos vendo todos os dias, fazendo sempre coisas novas, descobrindo como realmente somos. No fim das minhas férias, pedi para minha mãe ficar vivendo na casa da minha avó temporariamente. Ver no que as coisas vão dar né? Esperar para ver o que o destino nos trará.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar
Críticas construtivas são aceitas.
Não desrespeite as autoras do blog. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão excluídos.
Não peça para divulgar seu blog/página, existe uma página para isso aqui.
A comentário tem que ter relação com o assunto da postagem
Deixe o link do seu blog no final (sem o http) para retribuir a visita
Não aceito mais selos
Volte sempre ♥