Beautiful Mess - Capítulo 9

Leiam as notas finais powerfuls. 
Eu não me importo que as pessoas dizem quando estamos juntos
Você sabe que eu quero ser aquele que te abraça quando você dorme
Eu só quero que seja eu e você para sempre
Eu sei que você quer deixar assim
Vêm querida, estar comigo te faz feliz

 Liam P.O.V

Desci as minhas mãos nos tecidos da loja. Ainda não entendi muito bem, Silena ter marcado logo uma loja de roupas femininas para eu lhe entregar o maldito (ou bendito) diário. A questão nem era essa e sim que eu estou me roendo de curiosidade. O que será que há dentro dele? O que será que ela escreveu? Será que ela escreveu sobre mim? E se ela escreveu, o que escreveu?

Passei a mão pelo meu cabelo e sorri mais uma vez sem graça para as atendentes da loja. Sentei no banquinho rosa que existia dentro do interior da loja e ouvi barulhos de saltos atrás de mim me fazendo virar bruscamente na perspectiva de ser Silena porém era uma mulher loira com uma roupa preta. Julguei ser atendente da loja.
— Posso ajudar? — a loira me perguntou sorrindo. 
— Na verdade... você pode sim. — respondi sorrindo de lado.

Pelo menos não fico sem nada para fazer.

— O que o Sr. procura?
— Bem... eu e minha namorada estamos fazendo um ano de namoro e eu quero lhe presentear com um vestido. A Srta. me aconselhei-a algo?
— Bem... eu tenho uns vestidos que pode ser do seu agrado. Venha. — a loira sorriu e se virou.

Eu levantei ainda com o diário em mãos e comecei andar atrás dela. 

— Veja. — ela me apontou a uma arará que só continha vestidos pretos e vermelhos.
— Sabe não tem coisa mais clara, larga e menos “mulher fatal”? — eu disse fazendo careta.

Não. Minha menininha não pode usar coisa desse tipo. Isso eu não vou suporta.

— Ciumento? — ela perguntou rindo e andando.
— Talvez... — eu disse seguindo seus passos.

Dessa vez ela parou em uma arará que só continha vestidos claros: beges, brancos, rosas, azuis claros... Eu me aproximei devagar e comecei a analisa-los. Tecidos finos como seda, faziam parte dos vestidos da arará. Mas um me chamo atenção: o azul. Um azul tão claro quanto o céu no começo de uma tarde ensolarada. Aquele azul me fez pensar em como ela ficava linda com aquela cor, e certamente era sua favorita, porque além de seu diário ser azul, a maioria das roupas com qual ela iria para escola era naquela mesma cor. E eu até pude me lembrar do primeiro dia que eu a vi — naquele dia também ocorreu nossa primeira briga — ela vestia uma camiseta azul clara que foi suja de tinta laranja por um de seus colegas de classe. 

Sorri lembrando de todos esses fatos e puxei o vestido da arará pelo cabide. Era aquele. Ele custava trezentas libras, claro que com o salário de professor não daria para compra-lo mas, lembrei da “mesada” que meu pai me dava porque achava o salário de professor uma merda. Para falar a verdade ele nunca quis que eu visse-se história, e começasse a ser professor, ele ainda nutri esperanças que eu comece a faculdade de administração e comece a administrar a empresa da família Payne. O que uma hora realmente irá acontecer, porque meus primos vivem de olho nessa empresa, mas ela é patrimônio de meu pai. Não posso deixar isso ocorrer. 

Voltando ao vestido, peguei o mesmo e perguntei se tinha P, porque provavelmente era o tamanho dela, se não fosse PP. A loira sorriu e falou que iria buscar. Eu apenas coloquei o vestido na arará e voltei a sentar no banquinho rosa. Fiquei olhando para o caderno azul em minhas mãos e virei e ele e percebi que em sua capa havia uns rabisco e passei a ler eles. 

“Me and Lizie friends 4ever.” “Silena loves Anália.” “Codplay <3” “Silena and Travis” “I hate you” “Love is easy”. 

Fiquei lendo aquelas besteiras mas meus pensamentos eram no “Silena and Travis”. Fiquei pensando se um dia eles namoram. Não que eu lembre. Será que ela amou ele? Será que ela ama ele?

A loira chegou com o vestido e eu mandei embrulhar para presente. Paguei com o meu cartão e coloquei a caixa branca, com um laçarote azul no colo. 

. . .

O sino dá porta tocou e eu virei para trás encontrando ela. Ela estava linda e segurava uma garrafa d'água nas mãos. Sorri e ela retribuiu meio sem graça. 

— Oi. — ela disse calma se aproximando de mim.
— Oi. — respondi me levantando e me aproximando dela. 

O silencio se fez presente entre nós, ela apenas mirava em uma coisa, o objeto em minhas mãos: o diário. 

— Err... eu acho que isso lhe pertence. — estiquei o diário e ela pegou sorrindo mais ainda.
— Obrigada. 
— Ah, isso é para você. — estiquei a caixa e ela pegou.
— Por quê está me dando isso?
— Ah, sei lá. Deu vontade te dar isso. — respondi dando de ombros. 

Saímos em silêncio da loja e eu a convidei para comer alguma coisa do McDonald e ela recusou por está atrasada para alguma coisa. Ela se desculpou pelo atraso enquanto a acompanha para o estacionamento onde ela disse que tinha estacionado carro da irmã, o qual ela tinha vindo. Não resistir e peguntei:

— Por quê marcou o encontro naquela loja? 
— Porque ela é cara, a tornando vazia.
— Não quer se vista comigo?
— Não é isso. É que o shopping vem muitos alunos e seria estranho ver uma aluna com o professor de história.

Touché.

— ‘Okay. Posso perguntar mais uma coisa? — eu disse quando estávamos próximos do carro vermelho de sua irmã. Ela apenas assentiu. — Gosta de Travis?

Ela me olhou de olhos arregalados e corou na hora.

— P-por quê está me perguntando isso?
— Sim ou não Silena?
— Não. Bem já gostei. Mas percebi que não tenho espaço para ele... — ela disse meio avoada.

Sorri. Sorri bastante. Aquilo me alegrou de uma tal maneira inexplicável. Coloquei a mão no cabelo e olhei para ela. Sorri e beijei sua bochecha e ela ficou meio assustada.

— Espero que goste do presente Brigport. — gritei enquanto destrancava meu Audi não muito longe dali.

Entrei em meu carro e sai de lá cantarolando uma música quaisquer, talvez alguma da Taylor Swift.

Hey na na 
Quarta-feira. Eu sei. Também sei que a promessa era de segunda-feira. Me julguem, mas antes fiquem sabendo que: minha pessoa está hiper ocupada com a mostra multidisciplinar da escola dela. Fiz sete poemas e ainda um texto gigante de mil e tal palavras. Por quê? Porquê na minha sala tem um bando de gente preguiçosa que não quer nada, N-A-D-A com a vida. Claro que tem alguns que salvam mas são poucos. Emfim, o capítulo eu realmente achei que ficou razoável. Ainda não ficou como eu quero. E a letra do começo é dá mais que perfeita nova música (vazada) da 1D. Happily. E o Midnight Memories é vida.
Aaah, amei o novo Layout do blog ficou more powerful. 
 E cadê minhas leitoras em? Cadê? Powerfuls não se acanhem venham comentar sou uma autora que ama seus coments. Ahh, e se der começarei a postar uns imagines lindinho feitos por muá durante a semana.
É isso gatas. Comentem. I love vocês — sim eu manjo do ingrês.
Beijos mais que doces, Cah.

Vou fazer uma campanha anti-plágio nesse blog.. eu em, plágio além de feio é crime girls. 

9 comentários:

  1. muuuiti perfeito
    continuaaaa
    MALIKISSES

    ResponderExcluir
  2. Eu não vou te deixar NUNCA. Eu estou amando. Continual logo, por favor.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. divo
    magico
    lindo
    ai deus

    ResponderExcluir
  4. Já to roendo as unhas aqui continua logo

    ResponderExcluir
  5. Annw meu deus *-* SA fic ta foda esse blog e foda pq em pleno 2015 venho lendo fics e imagines daqui de 2013 e não consigo parar.. Vcs nem devem estar mais aqui ne ahahhaja mas e tudo demais....

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar
Críticas construtivas são aceitas.
Não desrespeite as autoras do blog. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão excluídos.
Não peça para divulgar seu blog/página, existe uma página para isso aqui.
A comentário tem que ter relação com o assunto da postagem
Deixe o link do seu blog no final (sem o http) para retribuir a visita
Não aceito mais selos
Volte sempre ♥