Nem todos os fantasmas são do mal - Parte 1


Imagine especial de Halloween.

Era uma coisa sobrenatural. Uma coisa assustadora, mas só pra quem o atormenta, só pra quem merece. Podemos achar que é uma história de terror como as outras, mas não, isso, pela minha sabedoria, nunca aconteceu e era impossível de acontecer, porém, eu posso mostrar isso e tornar esse fato real. Em 1999, quando eu, Marie, tinha 19 anos de idade, me mudei com minha família para uma nova casa com uma aparência lamentável. Se localizava ao lado da cidade de Miami, mas um pouco afastada da urbanização, era bem próxima de florestas e rios. Como já disse, não tinha boa aparência. A casa era branca e cinza, estava caindo aos pedaços, como "se sua hora de ir tivesse chegado", isso soa meio estranho, não? A floresta estava acabada, as folhas e os galhos secos, e os rios totalmente poluídos. Era realmente tudo esquisito, só pelos elementos eu já não tinha gostado. Eu estava ao lado de minha mãe entrando naquela casa. Não era tão feia por dentro, mas sabia que não havia nada de "legal" para fazer lá. Minha mãe disse a mim para escolher meu quarto, era a coisa mais legal pra fazer naquele momento.
Escolhi o último do corredor, era com cor vermelha, e não tinha muitas coisas, só uma cama, um armário, e um criado-mudo com um vaso de flores, bem simples. Depois da mudança ocorreu tudo muito bem, eu gostava da minha escola nova. Mas, algo que eu nunca tinha visto aconteceu. Em 11 de novembro de 1999, 1 semana depois de tudo mudar, coisas estranhas começaram acontecer, vamos dizer, coisas sobrenaturais. Os quadros começaram a cair sozinhos e os vasos também. Os relógios paravam de funcionar sempre as 3h19 da manhã e todos os dias eu escutava muitos barulhos, seja na janela do meu quarto, no quintal e no porão.
[...]
Os dias se passaram e eu começava a ver aparições espíritas, ou seja, fantasmas, em todos os lugares, mas haviam mais deles em meu quarto. Eu não tinha medo, sério, não tinha. Só se eles me matassem, o que não seria nada legal (risos). Eles não agem, só andam, então, parecem inofensivos. Eu achava isso incrível, acho inacreditável quando você é "escolhida" pra acontecer algo diferente na sua vida, parece mágico, sei lá, mas eu sei que são pessoas mortas (mais risos). Levo minha vida bem na loucura, gosto de coisas novas, e para mim, era "dahora" a casa ser assombrada. Lembro que estava na cozinha, e ouvi minha mãe, Kate, dizendo para meu pai, John, que essa casa era "a assombrada" da cidade e que se chamava "Casa Belvedere", mas nós não sabíamos disso, e pelas expressões deles, eles estavam com medo. Eles não sabiam de nada e não tinham nenhuma noção do que estava acontecendo. A partir daquele momento, comecei a pesquisar sobre a tal "Casa Belvedere". Eu gostava desse nome, bem nome de assombração, para ser mais precisa. Pesquisei várias informações, seja em livros ou no computador, e acabei encontrando muitas coisas que me deixaram impressionada. Em 1899, 100 anos antes, essa casa foi construída especialmente para demônios, fantasmas e exorcismos, e diz que, todos que vão morar na Belvedere, morrem. Bom, eu espero não morrer (risos). Em 1901 uma família se mudar para ela e a mãe, Anne, morreu inforcada, o pai, Nicholas, afogado, e o filho, Niall, esfaqueado em seu quarto enquanto dormia. Todos morreram sem ver, o pai e a mãe, morreram de dia, ou seja, os fantasmas são invisíveis, só aparecem de noite. Niall morreu sem ver, afinal, estava tudo escuro. Mas eu reconhecia Niall de algum lugar, não sei da onde. Pela foto em um site da internet, ele era loiro de topete, olhos azuis, magro e alto, lindo, maravilhoso (risos). Exatamente as características do fantasma do meu quarto, será que era ele? Não sabia, só podia confirmar isso de noite. Eu devia, mesmo, de verdade, contar essas coisas para meus pais, mas não podia, se não eles iriam querer se mudar, e eu não quero, quero descobrir mais coisas e criar meu próprio mundo de fantasmas (risos). Era 22h00 e tinha que me deitar. Fui ao meu quarto com a respiração ofegante, me cobri, apaguei a luz e fingi que estava dormindo. Sorte que tinha pegado uma lanterna e deixado embaixo das cobertas. 1 hora depois, abri os olhos rapidamente e vi que havia um fantasma em meu quarto, do lado da minha cama, me observando, com um olhar, tipo, "gostei de você". E ele tinha todas as características de Niall, era igualzinho, totalmente, e não havia dúvidas, era ele, ele havia permanecido como fantasma na minha casa, bom, alguns não permanecem. Só tinha uma dúvida, será que fantasmas falavam? Eu queria muito falar com ele, afinal, não custa nada tentar.
— Oi, Niall, ou, fantasma.
Ele continuou olhando fixamente nos meus olhos, e eu nos dele (risos). -ele é um fantasma, Marie, para, se toca, garota- meus pensamentos me dominavam. Só que parecia que nós tínhamos uma ligação, mesmo eu sendo ser humano e ele um fantasma. Ele estava sorrindo pra mim, e finalmente, disse:
— Niall?
É, fantasmas falam, com voz rouca e baixa, mas... falam!
— É...
— Esse é o meu... nome... eu acho...
— Sim... é.
— E... como... você sabe?
Ele falava bem devagar.
— Me interesso em saber sobre você... então... pesquisei.
— O-o-onde?
— Na internet...
— E... e... qual o seu nome?
— Marie.
— Você... é bem bonita... Marie. Eu nunca... conversei... com um ser humano... a a a muitos anos.
— Sério?
— Você é... a... primeira... bom... a primeira... que não não não... tem medo...
— Eu não tenho medo de você, afinal, você não vai fazer nada comigo, né?
— Não... porque... você não... fez nada que mostre... que você esteja com medo...
— Eu me interesso por fantasmas... são coisas... incríveis...
— Coisas não... pessoas... eu era uma...
— É...
— Gostei de você... Ma ma marie
O olhar dele de antes realmente expressou isso...
— Você também é bem... legal... Niall.
— Você... sabe.. tudo sobre... fan fantasmas?
— É... não...
De um minuto pra outro, minha mãe estava batendo em minha porta e Niall some.
— Ei, filha, com quem estava conversando?
— Ah... quem? Mãe... eu conversando? Com quem?
— Eu ouvi sua voz, Marie.
— Mãe, você deve ter sonhado! Volta a dormir, estou com sono.
— Ah, devo estar ficando louca... Então... boa noite, filha.
— Boa noite, mãe.
Minha mãe logo apagou a luz e voltou a dormir, mas eu não, queria continuar minha conversa com Niall, e eu ainda não acreditava que fantasmas falavam (risos).
 Eu ficava olhando por todo o quarto, acendi a lanterna, andei, e nada, Niall não apareceu mais, deve ser porque ele só pode aparecer uma vez na madrugada...

-

Boa tarde vampiras (risos), feliz halloween! Foi ontem mas não deu pra postar. Aí está a parte 1 do meu imagine de halloween com o Niall. Comentem o que acharam! Posto a parte 2, com 10 comentários, vocês conseguem até amanhã para mim postar o final? Beijos <3 /Anna

12 comentários:

Obrigada por comentar
Críticas construtivas são aceitas.
Não desrespeite as autoras do blog. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão excluídos.
Não peça para divulgar seu blog/página, existe uma página para isso aqui.
A comentário tem que ter relação com o assunto da postagem
Deixe o link do seu blog no final (sem o http) para retribuir a visita
Não aceito mais selos
Volte sempre ♥