LongFic - She's Not Afraid - Capitulo 1

Capitulo 1 – Café.
Você me faz sentir tão quente, me faz suar. Você é tão ridículo, Eu difícilmente paro, Eu mal posso respirar. Você me faz querer gritar, Você é tão fabuloso, Você é tão bom pra mim baby, baby. / Hot  - Avril Lavigne.


Eram apenas nove horas da manhã de uma sexta-feira, Londres estava gelada como de costume o vento gélido batia nas árvores. Pessoas caminhavam rapidamente sem olhar para as outras, com olhares fixos ao nada querendo chegar logo e sair de seus empregos, para terem o tão merecido –ou não– descanso do fim de semana. Seunome havia saído de mais um plantão médico, estava exausta rezando para que essa audiência fosse a mais rápida e definitiva de todas, os minutos pareciam horas dentro daquela sala enorme. Ela queria um bom banho, sua cama quente e macia, porém nada disso era possível nesse momento. Harry tentava manter a calma, o que era quase impossível nesse momento. Ele queria poder ter Meredith consigo para sempre, ele amava a pequena menina que havia encontrada sozinha na rua como se fosse sua própria filha. Uma nova discussão se travava na sala, era sempre assim. Harry e Seunome discutiam para tentar dar mais razões para que a juíza entregasse a guarda da menina a um deles.

-Silêncio por favor –a juíza disse fazendo Harry e Seunome se sentaram, se acalmando em seguida- Eu já entendi muito bem que o Sr. Styles encontrou a menina, mas quem cuidou dela foi a senhorita Evans, porém discutir não levará nenhum dos dois a nada. Bem, vamos ter outra audiência em alguns dias para resolvermos isso, enquanto isso a menina Meredith continua sobre a guarda do governo. –disse por fim e se levantou- Tenham um bom dia –se retirou-
-Um bom dia só se for para ela –disse Harry saindo com fúria da sala –
-Harry não adianta ficar alterado, isso não te levará a nada. Fique calmo, nós iremos conseguir a guarda de Meredith –disse Angeline sua advogada-
-Só por cima do meu cadáver –disse Lucas o advogado de Seunome- Está bem claro que a guarda dela será de Seunome, podem tirar seus cavalinhos da chuva.
-Eu não quebro a tua cara aqui mesmo, porque não quero ir pra delegacia. Olha aqui se advogadozinho eu vou sim ficar com a guarda da Meredith, a Seunome está perdendo dinheiro pagando você para tentar ter a guarda da menina.
-Harry não vai te levar a nada discutir com ele –disse Angeline com paciência-
-Digo o mesmo a você Lucas –disse Seunome que apareceu arrumando os cabelos-

Todos se silenciaram e caminharam para fora, Seunome parou enfrente ao carro e apoiou a cabeça ali. Já era terceira vez que a audiência era remarcada, ela não aguentava mais isso, mas seu amor por Meredith era maior que isso. Ela havia se apaixonado pela menina desde a primeira vez que viu os olhos dela brilharem por receber um copo de leite. Ela amava a menina e queria cuidar dela como se fosse realmente sua filha, mas Harry estava ali atrapalhando ela. Ele parou a frente dela com as mãos nos bolsos e se encostou em seu carro que estava estacionado ao lado do deu Seunome. Ele a observou pensativa, ele percebeu em sua face a tensão dos últimos dias.

-Parece cansada – ele disse calmo-
-Como não estaria, já é a terceira audiência que eu venho e nada acontece. Tem uma angustia sendo criada dentro de mim, eu quero ver Meredith, mas nem isso posso.
-Eu também quero muito vê-la, mas eles proibiram.
-Eu queria que ela falasse logo de quem será a guarda dela, para acabar com isso tudo logo.
-Digo o mesmo –ele suspirou e o silêncio pairou no ar- Aceita um café?
-Por que decidiu ser gentil comigo ?
- Por que eu não seria?
-Talvez pelo fato de que eu também quero a guarda de Meredith.
-Isso não me parece um problema – olhou para ela – Você realmente parece cansada.
-Eu tive plantão essa noite, estou acabada.
-Vamos tomar um café, que mal tem? – ela assentiu e ele sorriu – Tem uma Starbucks do outro lado da rua, venha –eles saíram a caminhar–

Na cabeça de Eduarda aquilo era completamente estranho, aquele homem que a uns minutos discutia com ela em uma sala de um tribunal agora convidará para tomar café, de forma que parecia inocente. Ela ajeitou a touca que carregava na cabeça e puxou o casaco ainda mais para si se abraçando, o frio era constante em Londres. Harry a olhou de relance a vendo se arrumar, ela mantinha a cabeça erguida e virada para o lado, parecia avaliar algo. Mesmo depois de tanto tempo ele ainda sentia o coração pulsar mais forte quando estava próximo dela, era uma pena que ela não soubesse a paixão que ele guardará por ela todos esses anos.

Harry Voice’s.

Havíamos nos sentado em uma das mesas da Starbucks, o silêncio entre nós era algo constrangedor, mas naquele momento eu não queria falar, eu queria apenas observar a mulher que é dona dos meus pensamentos desde os meus dezesseis anos de idade. Ela nunca me viu como eu a via, ela nunca me quis como eu a queria, ela nunca precisou de mim como eu precisava dela. Ela sempre foi apenas um ajudante do teatro assim como eu, e a cada dia que se passava eu via o quão perfeita ela parecia ser. Eu a queria para mim, mas a anos havia me conformado que isso era algo impossível em minha vida. Uma batalha sempre se travava dentro de mim, eu mal poderia imaginar que um dia eu entraria na justiça pela guarda de uma menina que havia encontrado na rua e seria ela a pessoa que iria querer ter minha pequena para ela também. Como que poderia decidir o que era certo nesse momento? Se ela estava bagunçando minha mente. Eu havia estudado com ela por três anos, eu mal a conhecia, ninguém sabia nada sobre sua família. De repente eles sumiram, milhões de boatos correram, mas ninguém nunca mais os viu. Eu a reencontrei por acaso graças a Meredith, sorte ou azar?
-Harry? –ela chamou minha atenção–
-Pois não?
-Você não tocou em seu café, parece vidrado em algo.
-Me perdoe, eu me recordava de algo –eu disse  pegando o casaco que trazia comigo e a percebi olhar para meu pulso, seu olhar saltou– Está tudo bem ?
-Claro, eu só achei que conhecia essa tatuagem em seu pulso, deve ser pura coincidência –ela se explicou– Parece com a de um garoto que estudou comigo, filho de uma amiga de minha mãe –ela se lembrava de mim então?- Ele também se chamava Harry, mas eu nunca soube o outro nome dele.
-Harry Styles talvez ? –eu ri olhando para meu frappuccino-
-Eu não, mas por que chuta nesse nome ?
-Talvez porque seja eu –ri e ela parecia assustada – Você era ajudante no teatro da escola, eu me lembro.
-Nossa, nunca imaginei que fosse você – ela riu fraco -
-Não era de se esperar realmente –eu sorri–
-Você está diferente Harry, muito diferente – ela disse tomando um pouco do café que continha no copo–
-Por que você sumiu? Você e seus pais por que ? – fiz a perguntava que me intrigava a anos, não só a mim como quase todos da cidade–

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Olá amores, bem o que acharam ? Tá eu sei que ficou chatinho, é sempre assim, bleh. Estou escrevendo o segundo capítulo, logo posto se tiver alguns comentários. Bem esse longfic era para ser especial de natal, para ser postado antes, mas o tempo não ajudou muito então :/ Mas, agora que eu tive tempo vou tentar agilizar ela, beijos e fiquem com Deus. 

3 comentários:

Obrigada por comentar
Críticas construtivas são aceitas.
Não desrespeite as autoras do blog. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão excluídos.
Não peça para divulgar seu blog/página, existe uma página para isso aqui.
A comentário tem que ter relação com o assunto da postagem
Deixe o link do seu blog no final (sem o http) para retribuir a visita
Não aceito mais selos
Volte sempre ♥